A vereadora mais votada de Sergipe está entre 883 candidatos eleitos no domingo (15) que são suspeitos de receber indevidamente o Auxílio Emergencial do... 883 eleitos no domingo receberam indevidamente o Auxílio Emergencial

A vereadora mais votada de Sergipe está entre 883 candidatos eleitos no domingo (15) que são suspeitos de receber indevidamente o Auxílio Emergencial do governo federal.

São 755 novos vereadores, 42 prefeitos e 86 vice-prefeitos.

Os nomes constam de uma lista de 10.690 candidatos com mais de R$ 300 mil em bens, que foram identificados como beneficiários do programa social pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

Com a ressalva que podem ter sido vítimas de fraude e de terem cometido erros na declaração de bens enviada à Justiça Eleitoral, o TCU determinou o bloqueio dos pagamentos e abriu investigação para apurar possíveis irregularidades.

Entre os alvos estão o prefeito Zé Roberto (PSC-AM) e o vice Carlos Menezes (MDB-AM) eleitos em Canutama (AM).

Zé Roberto, que recebeu 52% dos votos, declarou um patrimônio de R$ 525 mil à Justiça Eleitoral. Entre os bens, 190 cabeças de gado avaliadas em R$ 280 mil.

Mesmo assim, ele pediu e recebeu o Auxílio Emergencial até o benefício ser bloqueado pelo TCU.

Procurado pelo portal UOL, o político alegou que a declaração estava errada, mas não deu detalhes e não retornou o contato.

O vice-prefeito é comerciante, tem um patrimônio de R$ 430 mi, também recebeu o benefício e não deu explicações ao UOL.

A mesma situação foi constatada em Senador Modestino Gonçalves, um pequeno município mineiro com 4 mil habitantes.

O prefeito eleito Zé Neves (Patriota-MG) é empresário, tem um patrimônio de mais de R$ 2 milhões e também ganhou Auxílio Emergencial.

Outro beneficiado foi o vice, Jaime do Beia (Patriota-MG), que também é empresário e declarou R$ 1,3 milhão em bens.

Nas capitais Florianópolis, Manaus e Aracaju, são investigados três vereadores eleitos no domingo.

A vereadora Pri Fernandes Adote (Podemos-SC) recebeu Auxílio Emergencial mesmo com um patrimônio de R$ 600 mil.

O vereador Dione Carvalho (Patriota-AM) tem R$ 440 mil em bens e assim como Pri, teve os pagamentos bloqueados.

Outra beneficiária do Auxílio Emergencial foi a vereadora mais votada em Sergipe.

Linda Brasil (PSOL-SE) foi eleita na capital Aracaju.

Mulher trans, cabeleireira, com patrimônio declarado de R$ 337 mil, recebeu cinco parcelas de R$ 600 do benefício.

Ela alegou que estava sem trabalho e reclamou da divulgação distorcida dada pelo TCU.

Até setembro, o valor dos bens dos favorecidos pelo Auxílio Emergencial não era impedimento para ter direito ao benefício.

A partir daquele país, o governo cancelou a ajuda para quem tem mais de R$ 300 mil em bens.

Linda disse que tentou cancelar o benefício, mas que o dinheiro caiu na conta pois o nome dela ainda não tinha sido retirado do programa.

“Fui ao banco e estornei essa parcela extra de R$ 300. Essa lista do TCU foi divulgada de forma errada. Recebi o auxílio [antes] porque tinha direito”.

O benefício aprovado pelo Congresso começou a ser pago em abril para atender trabalhadores informais e desempregados durante a pandemia do coronavírus.

O beneficiado não pode ter uma renda familiar acima de R$ 3.135, mais de R$ 300 mil em bens declarados em 2019 ou rendimentos superiores a R$ 28.559,70 em 2018 e 2019.

Equipe TV Democracia

Nenhum comentário ainda. Comente!

Be first to leave comment below.

O seu endereço de e-mail não será publicado.