A pandemia de Covid-19 matou 191.207 brasileiros e infectou outros 7.486.094. Os dados foram divulgados pelo consórcio de veículos de imprensa às 13h desta... Bolsonaro não está preocupado com a indefinição do início da vacinação contra Covid-19

A pandemia de Covid-19 matou 191.207 brasileiros e infectou outros 7.486.094.

Os dados foram divulgados pelo consórcio de veículos de imprensa às 13h desta segunda-feira (28).

O fato de outros países já terem começado a vacinar suas populações contra Covid-19 não preocupa o presidente Jair Bolsonaro.

Para ele, os laboratórios é que deveriam estar interessados em pedir autorização junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e em vender as vacinas ao Brasil.

“O Brasil tem 210 milhões de habitantes, um mercado consumidor de qualquer coisa enorme. Os laboratórios não tinham que estar interessados em vender para a gente? Por que eles não apresentam documentação na Anvisa?”

Diante de um grupo de apoiadores no Palácio do Alvorada, em Brasília, ele mesmo respondeu: “Pessoal diz que eu tenho que ir atrás (da vacina). Quem quer vender é que tem”.

O presidente reafirmou que não vai tomar vacina pois já contraiu Covid-19 e que a responsabilidade sobre o uso do imunizante e possíveis efeitos colaterais são de quem for vacinado.

Bolsonaro lembrou que já assinou “o cheque de R$ 20 bilhões” para a compra de vacinas e insumos como agulhas e seringas e sem citar nomes, disse que “tem muita gente de olho nesse dinheiro”.

“Impressionante como uma ou outra pessoa que a gente conhece, não vou dizer o nome aqui, jamais se preocuparia com a vida do próximo. A preocupação é outra. Não vou falar qual que é”, acrescentou.

Enquanto outros países latino-americanos como o México, o Chile e a Costa Rica já começaram a vacinar suas populações e amanhã será a vez da Argentina, Bolsonaro repetiu que não está preocupado com o início da campanha no Brasil.

“Se eu vou na Anvisa e digo ‘corre aí’, vão falar que estou interferindo”, justificou.

Até agora nenhum laboratório pediu à Anvisa registro de vacina para uso emergencial ou definitivo no país.

Enquanto isso, o quinto lote de doses da Coronavac, o imunizante desenvolvido pela empresa chinesa Sinovac e pelo Instituto Butantan, chegou hoje (28) no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos.

O avião trouxe 500 mil doses prontas da China.

O próximo carregamento com mais 1,5 milhão de doses deverá desembarcar em São Paulo na próxima quarta-feira (30).

Ao todo, serão 10,6 milhões de doses, volume suficiente para imunizar 5,3 milhões de pessoas.

Até agora não foi divulgada a taxa de eficácia da Coronavac, mas o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, garante que é superior ao mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde, que é de 50%.

Duas cidades do litoral sul de São Paulo, Praia Grande e Peruíbe, decidiram desobedecer o governo do estado e manter as praias liberadas durante o Réveillon.

Na semana passada, as prefeituras da Baixada Santista já haviam desacatado a ordem de permanecer na fase vermelha da quarentena, que só permite o funcionamento de serviços essenciais.

Outras três cidades da região, Santos, São Vicente e Guarujá, onde o presidente vai passar o Réveillon, vão bloquear o acesso à orla. Para isso contam com o apoio da Polícia Militar.

Santos (foto Beno Suckeveris)

Equipe TV Democracia

Nenhum comentário ainda. Comente!

Be first to leave comment below.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *