O mundo se aproxima de 15 milhões de pessoas infectadas pelo coronavírus. De acordo com os números divulgados às 10h20 desta quarta-feira (22), pela... EUA compram toda a produção de vacinas contra coronavírus de dois laboratórios

O mundo se aproxima de 15 milhões de pessoas infectadas pelo coronavírus. De acordo com os números divulgados às 10h20 desta quarta-feira (22), pela Universidade Johns Hopkins (EUA), são 14.976.953 casos e 617.297 mortes.

O México chegou a 40 mil mortes por Covid-19. Só fica atrás dos EUA, Brasil e Reino Unido.

Nos Estados Unidos, a Califórnia passou Nova York como o estado americano com maior número de casos. O país registrou 142.080 mortes e 3.902.377 casos. Só em Los Angeles, na Califórnia, já são 162.925 pessoas que foram infectadas pela doença.

Uma das preocupações da Organização Mundial da Saúde (OMS) é a distribuição mundial das vacinas. A OMS teme que os países mais ricos furem a fila e que, as indústrias deixem de lado o aspecto humanitário e fiquem de olho apenas nos lucros.

A preocupação é real. Nesta terça-feira (21), em audiência no Congresso americano, executivos de três laboratórios- Pfizer, Merck, Sharp & Dohme e Moderna – declararam que não pretendem vender futuras vacinas contra o coronavírus a preço de custo. Dos três, apenas a Moderna recebeu cerca de R$ 2,4 bilhões do governo para financiar a vacina.

Outras duas grandes indústrias farmacêuticas, a AstraZeneca e a Johnson & Johnson, anunciaram que vão vender as vacinas a preço de custo.

Os EUA fecharam um acordo com a Pfizer e a empresa alemã de biotecnologia, BioNTech para a compra de todas as doses de vacinas fabricadas este ano e em 2021. Pelo acordo assinado ontem (21), se elas forem aprovadas pelo órgão responsável pela liberação de medicamentos e alimentos do país (FDA), o governo Trump investirá US$ 1,95 bilhões em 100 milhões de doses a serem entregues em 2020 e mais 600 milhões de doses que serão produzidas no ano que vem.

A Pfizer e a BioNTech vem testando duas vacinas nos EUA e na Alemanha. Os resultados foram promissores nas duas primeiras fases com humanos. As duas empresas já têm autorização do Brasil para iniciarem testes com 1.000 voluntários brasileiros, que serão recrutados na Bahia e em São Paulo.

Equipe TV Democracia

Nenhum comentário ainda. Comente!

Be first to leave comment below.

O seu endereço de e-mail não será publicado.