A pandemia do coronavírus já matou 1.705.655 pessoas e contaminou outras 77.517.453. As informações são da Universidade Johns Hopkins (EUA) divulgadas às 11h30 desta... EUA passam de 18 milhões de casos de Covid-19: ministros europeus discutem campanha de vacinação

A pandemia do coronavírus já matou 1.705.655 pessoas e contaminou outras 77.517.453.

As informações são da Universidade Johns Hopkins (EUA) divulgadas às 11h30 desta terça-feira (22).

Nos EUA, país com mais mortes (319.466) e casos (18.043.824) no mundo, o presidente eleito Joe Biden recebeu a primeira das duas doses da vacina desenvolvida pela multinacional americana Pfizer e pela empresa alemã de biotecnologia BioNTech nesta segunda-feira (21), em um hospital de Newark, no estado de Delaware.

A aplicação foi transmitida ao vivo pela TV americana para incentivar a população a tomar a vacina.

“Eu estou fazendo isso para mostrar que as pessoas têm que estar preparadas para se vacinar assim que for possível”, disse Biden.

Ele e a mulher Jill receberam o imunizante.

Biden agradeceu a enfermeira Tabe Masa: “Nós devemos muito aos profissionais da saúde, nós devemos muito a vocês”.

Nesta terça-feira (22), os ministros da Saúde dos 27 países que formam a União Europeia (UE) vão discutir os detalhes dos planos de distribuição e de imunização.

A campanha começa neste domingo (27), com a aplicação de 12,5 milhões de doses da vacina Pfizer/BioNTech.

Sob forte esquema de segurança, que prevê até o uso de drones, os primeiros lotes sairão em caminhões frigoríficos da fábrica da Pfizer, na Bélgica.

Profissionais da saúde e idosos que vivem em casas de repouso serão os primeiros a serem imunizados.

Na etapa inicial, 6,25 milhões de pessoas serão vacinadas até o dia 31.

O imunizante exige duas doses, com três semanas de intervalo entre elas.

A UE encomendou 200 milhões de doses, com opção de mais 100 milhões.

A partir de janeiro, os lotes da vacina deverão ser entregues quinzenalmente aos países do bloco.

Cada um vai receber uma quantidade proporcional ao número de habitantes.

A imunização da população em geral está prevista para começar em abril ou maio de 2021.

A meta é atingir uma cobertura de 70% da população da UE, que é de cerca de R$ 450 milhões de pessoas.

Em janeiro, a Agência Europeia de Medicamentos deverá anunciar a aprovação da vacina da farmacêutica americana Moderna, que já está sendo utilizada nos EUA.

Outros dois imunizantes, o da multinacional anglo-sueca AstraZeneca em parceira com a Universidade de Oxford (Reino Unido) e o do laboratório Janssen da multinacional americana Johnson & Johnson, deverão ser liberados no primeiro trimestre do ano que vem.

A UE também já encomendou as vacinas do laboratório francês Sanofi e da empresa alemã CureVac, que também dependem da autorização da Agência Europeia de Medicamentos.

Equipe TV Democracia

Nenhum comentário ainda. Comente!

Be first to leave comment below.

O seu endereço de e-mail não será publicado.