Nesta edição, o telejornal Despertador discutiu as consequências das ameaças de golpe do capitão Jair Bolsonaro. A semana começa tensa, com o acirramento de...

Nesta edição, o telejornal Despertador discutiu as consequências das ameaças de golpe do capitão Jair Bolsonaro. A semana começa tensa, com o acirramento de posições que colocam o Genocida contra as cordas. Sem apoio popular, cercado de denúncias de corrupção, acossado pelos próprios aliados no Congresso, Bolsonaro pode aprofundar a crise ao negar explicações sobre a denúncia de prevaricação feita pelo deputado Luis Miranda.

Na semana passada, Bolsonaro xingou Renan Calheiros, Omar Aziz e Randolfe Rodrigues, que são presidente, relator e vice-presidente da CPI da COVID. Também atacou o Ministro Luis Roberto Barroso, a quem chamou de pedófilo (“isso beira a pedofilia”) . Na noite de quinta, afirmou que não prestaria esclarecimentos aos senadores e, bem ao seu estilo, cunhou a escatológica frase “caguei para a CPI”.

Os comandantes das três armas e o ministro da Defesa tomaram partido dos denunciados pela CPI e publicaram uma nota furiosa e gratuita para rechaçar a afirmação do senador Omar Aziz de que o comportamento de militares corrutos já flagrados pelsa CPI envergonham as Forças Armadas. A nota atrevida e ameaçadora foi sucedida por uma entrevista do Comandante da Aeronáutica que ampliou o escopo das ameaças e avisou que não haverá mais notas de protesto. Ou seja: em defesa dos corruptos fardados do governo do Genocida, eles estão dispostos a fechar o regime.

No programa desta segunda, o ex-ministro da Defesa Aldo Rebelo apostou que a história das FFAAs não permitiria uma aventura golpista. Ele diz que os militares não gostam de serem comparados com policiais militares e prezam a imagem de honestos e incorruptíveis.

 

 

Fabio Pannunzio

Nenhum comentário ainda. Comente!

Be first to leave comment below.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *