A Lava Jato deflagrou operação E$quema S nesta quarta-feira (9), em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. Os alvos são os escritórios dos... Lava Jato do Rio deflagra operação: alvos são escritórios de advocacia ligados ao Sistema S

A Lava Jato deflagrou operação E$quema S nesta quarta-feira (9), em São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro.

Os alvos são os escritórios dos advogados Frederick Wassef (que trabalhou para a família Bolsonaro -foto), Cristiano Zanin e Roberto Teixeira (defensores do ex-presidente Lula) e Ana Tereza Basílio (ligada ao governador afastado do Rio, Wilson Witzel), acusados de desvio de, no mínimo, R$ 150 milhões em recursos públicos federais do Sistema S (Senac, Sesi, Senai e Fecomércio) do Rio.

A operação do Ministério Público Federal (MPF) cumpre 50 mandados de buscas e apreensões expedidos pelo juiz federal Marcelo Bretas, responsável pelos processos da Lava Jato no Rio, e se baseia em delação premiada do ex-presidente do Fecomércio, Orlando Diniz.

A família Bolsonaro, Lula e Witzel não são investigados.

A Justiça denunciou 26 réus, entre eles, o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, e a ex-mulher dele, a advogada Adriana Ancelmo.

As apurações apontam que, entre 2012 e 2016, as entidades do Sistema S teriam destinado pelo menos metade do orçamento anual a contratos fictícios de prestação de serviços com escritórios de advocacia.

A Fecomércio, por exemplo, teve R$ 355 milhões em despesas advocatícias, dos quais pelo menos R$ 151 milhões foram desviados.

Orlando Diniz foi preso em 2018, no desdobramento da Operação Lava Jato no Rio.

Acusado de suspeita de lavagem de dinheiro, corrupção e de integrar organização criminosa, ele ficou quatro meses preso e obteve habeas corpus concedido pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) e foi solto no mesmo ano.

Segundo as investigações, uma chef de cozinha do Palácio Guanabara, sede do governo do estado do Rio, e uma ex-governanta do ex-governador Sérgio Cabral, eram funcionários fantasmas do Sesc e do Senac.

Equipe TV Democracia

Nenhum comentário ainda. Comente!

Be first to leave comment below.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *