A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) recomendou aos governos que não exijam testes de Covid-19 aos viajantes porque os exames dão “uma falsa sensação... Opas recomenda a dispensa da exigência de testes de Covid-19 para viajantes

São Paulo (foto Beno Suckeveris)

A Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) recomendou aos governos que não exijam testes de Covid-19 aos viajantes porque os exames dão “uma falsa sensação de segurança” e também pediu para que as pessoas não façam viagens não essenciais de férias para evitar um avanço de casos da doença.

As orientações foram dadas pelo subdiretor da Opas, que é o escritório regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), o médico brasileiro Jarbas Barbosa.

“A Opas não recomenda depender de testes de laboratório para os viajantes. São caros, difíceis de implementar e têm um impacto limitado no controle da propagação internacional do vírus”.

Ele alertou que para o que chamou de “falsa sensação de segurança” dada por exames com resultados negativos para Covid-19.

“O teste é uma ferramenta importante para rastrear e combater a propagação do vírus, mas devemos ter cuidado para não nos dar uma falsa sensação de segurança”.

Barbosa afirmou que o teste negativo não significa que a pessoa não possa ser infectada e contaminar outras pessoas, porque pode levar dias até que um novo exame detecte uma infecção por coronavírus.

Ele não descartou que o viajante possa estar infectado antes do voo, pois os testes são realizados alguns dias da viagem.

O subdiretor da Opas elogiou alguns países latino-americanos que adotaram “medidas mais de bom senso” e disse que espera que outros países façam o mesmo.

A Colômbia e a Costa Rica, por exemplo, não exigem mais o teste negativo de Covid-19 para turistas que entram no país.

O gerente de emergências da Opas para a pandemia, o francês Sylvain Aldighieri, citou entre as medidas mais comuns, barrar a entrada de viajantes de países com números altos de transmissão de coronavírus ou onde já existem limitações devido a uma situação epidemiológica complicada.

A Opas orienta para que os viajantes sejam monitorados por 14 dias após o desembarque, mas eles não devem ser colocados em quarentena.

Aldighieri ressalvou que as recomendações da Opas são baseadas na ciência e que os países membros são soberanos para adotá-las ou não.

Pelo Regulamento Sanitário Internacional assinado por mais de 190 países, o único documento de saúde exigido dos viajantes é o comprovante de vacinação contra febre amarela.

Entre outras exigências, o Brasil pede ao turista seguro saúde pelo tempo de estadia no país.

Equipe TV Democracia

Nenhum comentário ainda. Comente!

Be first to leave comment below.

O seu endereço de e-mail não será publicado.