O mundo deverá passar ainda nesta quinta-feira (3) da trágica marca de 1 milhão e 500 mil mortes provocadas pela pandemia da Covid-19. De...

Nova York

O mundo deverá passar ainda nesta quinta-feira (3) da trágica marca de 1 milhão e 500 mil mortes provocadas pela pandemia da Covid-19.

De acordo com o levantamento da Universidade Johns Hopkins (EUA) divulgado às 10h30 de hoje (3), já são 1.495.919 óbitos e 66.648.033 casos em todo o planeta.

Os EUA lideram com 273.847 mortes e 13.925.990 e a doença avança sem controle no país.

Nas últimas 24h foi batido o recorde de mortes em um só dia (2.804) e o número de casos (200.070) ficou bem próximo dos 205.557 registrados no dia 27 de novembro.

Pela primeira vez desde o início da pandemia, o número de internados passou de 100 mil.

Segundo o Covid Tracking Projet, nesta quarta-feira (2), 100.226 pacientes com coronavírus estavam hospitalizados nos EUA.

Nesta semana, a Flórida se tornou o terceiro estado americano com mais de 1 milhão de casos de Covid-19. Texas e Califórnia já têm mais de 1,2 milhão de contaminados.

A Califórnia registrou 19.140 infectados nas últimas 24h, recorde nacional.

Os especialistas em saúde estão pessimistas. Eles preveem um aumento de casos, por causa das viagens de milhares de pessoas na semana passada para celebração do Dia de Ação de Graças.

Na Europa, a segunda onda da pandemia é uma realidade.

A Itália se tornou o primeiro país do continente a proibir viagens durante as festas de fim de ano.

Roma

O governo do primeiro-ministro Giuseppe Conte decretou a proibição de viagens no Natal e no Ano Novo nesta quinta-feira (3).

Ela entra em vigor no dia 21 de dezembro e vai vigorar até o dia 6 de janeiro.

Com exceção de moradores de outras províncias que queiram voltar às residências de origem, profissionais essenciais, tratamento de doenças e viagens a trabalho, as visitas entre regiões não serão permitidas.

A Itália, que foi o segundo epicentro da pandemia, está entre os 10 países com mais casos (1.641.610) e mortes (57.045) causadas pela Covid-19.

A Espanha limitou as reuniões familiares até 10 pessoas.

O país é o sexto do mundo com mais casos (1.665.775) e também tem um elevado número de óbitos (45.784).

O Reino Unido criou “bolhas-familiares”: grupos pequenos que se comprometerem a não se relacionar com pessoas “fora da bolha” poderão se reunir para as festas de fim de ano.

O país, que vai começar a vacinação contra Covid-19 na semana que vem, é o quinto do mundo com mais mortes (59.796) e está entre os 10 primeiros em números de casos (1.663.471), bem perto da Espanha.

A Rússia anunciou hoje (3) que vai começar a vacinação em massa na capital Moscou no próximo sábado (5).

A vacina que será aplicada na população é a Sputnik V desenvolvida pelo Instituto Gamaleya.

A Rússia é o quarto país com mais casos de coronavírus (2.354.934) e teve 41.173 mortes.

Boa parte foi registrada em Moscou: 625.189 infectados e 9.126 óbitos.

Equipe TV Democracia

Nenhum comentário ainda. Comente!

Be first to leave comment below.

O seu endereço de e-mail não será publicado.