A proibição de operações policiais em favelas nas comunidades do Rio de Janeiro causou a queda de 70% no número de mortes nestas áreas.... STF vota esta semana se mantém a proibição de operações policiais nas favelas do Rio

A proibição de operações policiais em favelas nas comunidades do Rio de Janeiro causou a queda de 70% no número de mortes nestas áreas. Pelo menos 30 mortes foram salvas durante a pandemia.

Entre as vidas poupadas, estão as de policiais, que também costumam ser vítimas.

É o que mostra a pesquisa da Universidade Federal Fluminense (UFF), “Operações Policiais e ocorrências criminais: Por um Debate Público Qualificado”, divulgada nesta segunda-feira (3).

Outros números positivos são a diminuição em 48% de crimes contra a vida e em 40% dos crimes contra o patrimônio. Os tiroteios no entorno de unidades de saúde caíram 61%. Quando são consideradas só as trocas de tiros em que há policiais envolvidos, o índice despenca para 82%.

As operações policiais durante a pandemia foram proibidas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 5 de junho. Ele aceitou a ação conjunta do PSB e da Defensoria Pública do Rio.

“O crescimento dos dados de ocorrências criminais e operações policiais realizados indica que elas não são eficientes em reduzir a ocorrência de crimes e, pelo contrário, parecem contribuir para o seu incrimento”, disse um dos pesquisadores do Grupo de Estudos de Novos Legalismos (GENI) da UFF, Daniel Hirata.

A liminar, que é criticada pelas Policias Civil e Militar do Rio por dificultar o combate ao crime organizado, deverá ser analisada pelo STF, cujas atividades serão retomadas hoje.

Fachin e os ministros Ricardo Lewandowski, Rosa Weber e Marco Aurélio Mello já votaram pela manutenção da proibição. O ministro Alexandre de Moraes foi contra. Os outros seis ministros devem apresentar seus votos até amanhã. O julgamento é por meio virtual.

Equipe TV Democracia

Nenhum comentário ainda. Comente!

Be first to leave comment below.

O seu endereço de e-mail não será publicado.